sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Bonito - MS

Oi Galera,

Não consegui cumprir minha meta de escrever um post por mês..
ehehehe...
Eu mudei de emprego e ficou meio corrido esses últimos meses, mas vamos lá!!
Hoje vou falar sobre Bonito –MS.
Estive lá em Julho de 2011, a convite de uma amiga querida de Manaus, a Ana! Ela estava inaugurando a casa nova dela lá e fui lá conferir, aproveitando pra conhecer Bonito e participar do festival de Inverno tb, e de quebra levei a malinha da minha prima.. rss.. Patricia...
Foi muito bom!!
Mas chega de papo e vamos ao que interessa:

Divagações:  Amei Bonito, Campo Grande, enfim... as pessoas são educadas e solicitas. Todos os lugares que fomos e pedimos informações fomos bem recepcionadas e atendidas. Faltou só algum contato pra receber a gente em Campo Grande, pq passar 12horas a deriva na cidade foi osso!!!
Quanto ao festival de inverno, achei muito bem organizado e estruturado, com palco na praça que tinham shows gratuitos e uma tenda com um palco maior e ingressos a preços populares ~R$10,00. As atrações foram muuiitoo boas também. Ney Matogrosso, Martinália, Jota Quest, Marcelo Camelo, o Tremendão, Almir Sater e outros...
Outro ponto, não tão legal,  é que é visível a degradação por causa de pasto, como a gente dizia lá: “É uma enorme plantação de churrasco”, visitamos uma fazenda onde menos de 20% está em área de mata fechada, eles falam de uma maneira que da pra entender que é muita coisa, pq dizem em número de ectares , mas se for fazer o proporcional percebe-se esse pequeno número de preservação em relação ao tamanho da fazenda. É um tanto decepcionante, e isso é no geral mesmo.  Achei muito ruim essas 2 coisas:
  • ·        a degradação em prol do dinherio desmedido
  • ·        e descobrir que lugares tão fantásticos estão restritos a propriedades particulares onde um pequena parte da população tem acesso, já que os passeios são um tanto caro, é revoltante até pq em outras partes do Brasil não tem isso. (ex. Chapada Diamantina)

Como funciona: Não adianta pechinchar preço dos passeios. Eles  são feitos em lugares privativos, ou seja, tudo que se tem ao redor de Bonito é de propriedade de algum fazendeiro, exceto alguns balneários da prefeitura (que também são pagos); Portanto o valor é fixo,  se for por conta própria ou por agência o preço será o mesmo. Outro ponto, é que Bonito é um destino turístico bem caro, os passeios são caros e como eu estava em fase de vacas magras total , tive que optar por opções mais baratas e acabei fazendo apenas 2 passeios...
Ah! Tem outra coisa, o que vc negocia com as agências é o transporte até o local dos passeios, isso sim da pra pechinchar, tem opções de transporte coletivo e privado, além de alguns passeios por perto que dá pra ir de bicicleta.

Como Chegar:
O mais fácil é ir de Campo Grande pra lá. Tem ônibus e várias vans que fazem o transporte.
Nós optamos por fechar uma Van com antecedência que foi nos buscar no aeroporto. Foi ótimo, confortável com DVD, ar condicionado e um motorista bem legal que ficou lá só pra buscar nós 2.
Foi R$80,00 por pessoa. Não foi a opção mais barata, mas foi a mais cômoda.
Nós fechamos com uma agência, não vou recomendar nenhuma porque achei eles bem confusos e foi meio difícil a negociação, mas nesse link tem várias opções: 

Onde ficar: Bom, fiquei hospedada na casa da Ana, quem for com um grupo ela aluga a casa dela pra veraneio, e eu recomendo altamente pq a casa dela é uma gracinha e muito aconchegante!!
Mas em Bonito tem diversas opções para todos os gostos e bolsos. Vi que tem albergue também.
Quem se interessar em alugar a casa dela, deixa um comentário no blog que eu passo o contato. J

Onde ir:
Tem inúmeros lugares legais pra ir, nos links abaixo vc encontra informações deles. Mas no meu caso eu optei por um mergulho de flutuação no rio da prata e um passeio de boia cross.

Flutuação Rio da Prata:
É o dia numa fazenda, mais uma opção que parece um playcentersinho..rs.s. é tudo  muito bem estruturado e organizado. Essa é a parte boa de ser caro... eheheh.. o passeio até vale o preço, já que o grupo é muito bem acessorado o tempo todo. São 2 horas de flutuação pelo rio prata, eles dão todo equipamento, roupa neoprene, máscara, pé de pato, a camera subaquaática é alugada a parte, a gência pode providenciar isso. Foi R$30,00 o aluguel da camêra e vale muito a pena pois o que tem graça mesmo está embaixo d’água.
Está incluso almoço também, que é bem farto e bom.(embora eu esperava mais, tendo em vista comida de fazenda... me deu a impressão de ser industrializado...pode ser só impressão...) e também tem um tempinho para um belo cohilo no redário..rss...
É um dos passeios mais caros foi quase R$200,00, mas eu achei que valeu muito a pena, já que é a única maneira de conhecer o rio da prata e observar os olhos dáguas existentes no decorrer do rio. (acho uma pena ser tão caro e limitar o cesso a natureza)


 Bóia Cross:
É o passeio mais barato e também é bem perto. A Ana levou a gente até lá e com isso não gastamos transporte. É necessário agenda ro passeio antes atravéz de alguma agência, o preço não muda se fizer por agência ou direto lá no hotel onde oferece esse passeio.
São 30 minutos descendo o rio em cima da bóia. É muuuiiitoooo tranquilo e seguro, tem toda a infra de apoio e instrutores, parece até um playcenter da vida..rs... é tudo muito cronometradinho e certinho. Tem cordas e tem ponto de apoio nas pequenas quedas. Pelas fotos parece que é muito mais tenso do que realmente é. Pode ir tranquilamente que não tem perigo nenhum, no nosso grupo foi uma criança sozinha, o instrutor da todo apoio. Vale a pena ir sim!!!


Isso aí galera!
Espero que ajude quem pretende ir pra lá.

Algumas Fotos:

Bjs e até breve!


segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Chile, Argentina e Uruguay por Mariana Chagas

Esse post foi feito pela mochileira Mariana Chagas numa viagem que ela fez por esses países em 2009.

No final do post tem  o contato dela.

Valeu Mari!!!!
------------------------------------------------


Eu sou amiga da Neli, e depois de muito tempo resolvi escrever sobre minhas experiências e aventuras, afinal foi com pesquisas das experiências de outras pessoas que montei minhas viagens! Viajar para mim é necessário e renovador!!
Eu já tinha muita vontade de fazer um mochilão, em 2009 resolvi comprar um Guia para pesquisar sobre a America Latina, comecei a buscar informações, trocar idéias com algumas pessoas do meu trabalho que já tinham feito, e o proximo passo foi mostrar para o meu marido qual era minha idéia, e convence-lo a fazer essa viagem foi muito fácil, uffaa!!!
Começamos então a montar o roteiro e decidimos por conhecer  Chile, Argentina e Uruguai.
Compramos as passagens de ida São Paulo/ Santiago e volta Montevidéu/São Paulo. Como faríamos para percorrer o caminho de um a outro seria nossa maior aventura!
$ Passagens – Ida e volta com taxa de embarque por pessoa R$ 742,21 (compre com antecedência para garantir preços promocionais)
Iniciamos nossa viagem em Santiago, saindo de São Paulo em um vôo direto (4h) no dia 24/10/2009. O único local que tínhamos feito a reserva de um Hostel foi em Santiago, escolhemos o Eco Hostel (indicação da nossa amiga!!) , pedimos também o transfer que o hostel oferecia do aeroporto para o hotel. Enfim, chegamos no aeroporto, e onde estava o transfer? Não apareceu! Começou nossa aventura!! A lesa aqui não recebeu a confirmação do hostel sobre a reserva nem o transfer e achou que estava tudo bem! Pegamos um táxi, o preço da corrida é fechado até o hostel, gastamos um pouquinho a mais do que o esperado, não tiramos dinheiro no caixa eletrônico do aeroporto, pedimos ao taxista para parar em um caixa eletrônico num posto de gasolina e enfim conseguimos pagar o táxi hehehe Chegamos no hostel e tinha lugar para a gente, nossa sorte porque era baixa temporada.
Ficamos em Santiago até o dia 27/10/2009, durante esses dias passeamos pela cidade a pé e de metrô, fomos ao Cerro Santa Lucía, Parque Metropolitano, Vina del Mar e Valparaiso. As segundas-feiras, museus, zoológico, funicular não abrem, então acabamos não conhecendo algumas coisas, mas por outro lado fizemos uma caminhada pelo parque metropolitano e subimos até um Santuário que tem no topo que valeu muito a pena, o lugar é lindo e a vista maravilhosa.  Fomos para Vina del Mar de ônibus, que sai a cada 15 minutos do terminal rodoviário, numa estação de Metrô, e já compramos a passagem voltando de Valparaiso no mesmo dia, contratamos um tour local e conhecemos os pontos principais das duas cidades, para quem não tem muito tempo vale a pena!
Os chilenos são muito simpáticos, isso tornou nossa estadia por lá bem bacana, a cidade é limpa e segura, com carabineros De Chile em cada cruzamento e para facilitar tem metrô por toda parte!  A comida em Santiago é muito boa, fomos  a bons restaurantes, à noite tem uma praça com vários bares na rua Pio Nono. Também tem mercados e padarias, quando o dinheiro ficou curto compramos empanadas na esquina do hostel e foi nossa janta!!
$ - No Chile costuma-se dar gorjeta, você pode dar para a pessoa ou pedir para pagar na conta, em espanhol “Propina”, você não está burlando nenhum lei :D – Aceitam cartões de crédito em quase todos os lugares.
No Bairro Providência há o Restaurante Giratório. O preço não é tão barato mas vale a pena conhecer. Você tem uma visão panorâmica de toda a Santiago. Você começa a refeição olhando para um lado da cidade e termina olhando para outro. O salão todo vai girando lentamente, Ao longo da refeição você pode enxergar a cidade de vários ângulos, um deles sendo os Andes.
$ Passagens + passeio – Tour Bus – bons ônibus e servem comida ou lanche e alfajores!!
Ônibus para Vina del Mar saindo de Santiago (cada trecho por pessoa) – 3.100,00  – Pesos Chilenos
Ônibus Para Mendoza de Santiago (cada trecho por pessoa) – 12.600,00  – Pesos Chilenos
Tour por Vina del Mar e Valparaiso para 2 pessoas – 30.000,00  – Pesos Chilenos
$ Hospedagem – Eco Hostel 3 diarias em quarto para 2 pessoas - 60.000,00  – Pesos Chilenos

No dia 27/10/2009 saímos de Santiago com destino a Mendoza na Argentina, essa viagem vale a pena fazer durante o dia, a estrada é pelos Andes e a vista muito bonita. O ônibus pára na aduana na fronteira para carimbarmos os passaportes com os vistos de entrada e saida dos paises.
Chegamos em Mendoza e mais uma loucura, não tinhamos hostel ou hotel reservado, achamos um argentino na rodoviária que nos arrumou um hotel 3 estrelas, limpo, no centro de mendoza e fez o transfer até o local. Só aí que percebemos que ter feito as reservas dos locais ajudaria bastante :D Fomos então passear pela cidade, tinham várias agências que trabalham com hostel e serviços para mochileiros, mas o comércio fecha pela hora do almoço e só volta a abrir às 17h e depois fica aberto até às 22h. Ficamos em Mendoza até o dia 28/10/09 à noite, passeamos pelo parque da cidade, pelas diversas praças que tem, igrejas, e claro pelas vinículas.
Conseguimos reservar hostel para Córdoba que era o nosso próximo destino, mas não havia disponibilidade em nenhum outro hostel ou hotel em Buenos Aires, era feriado de finados no Brasil e a  cidade estava LOTADA de brasileiros, claro! Ligamos para a minha irmã e pedimos ajuda, imploramos na verdade, precisávamos de algum lugar em Buenos Aires!!! E o marido dela conseguiu um feito para a gente, um hotel 4 estrelas, com banheira e tudo, ai que luxo!! Hehehe  e mais uma vez gastamos mais que o esperado.
Chegamos em Córdoba no dia 29/10/09, bem cedinho, o quarto no hostel ainda não estava liberado, estava saindo um passeio para uma montanha chamada Los Gigantes, era um trekking, resolvemos fazer! Nossos calçados não eram adequados e no final do dia nossos pés estavam nos matando, o calor era de 42 graus , mas tudo continuava bom demais!! rs Voltamos à noitinha para Córdoba, nosso quarto já estava liberado, pudemos tomar um banho e saímos para jantar, comemos as melhores empanadas de toda a viagem!!
Saímos no dia 29/10/2009 de Córdoba com destino a Buenos Aires, pegamos um ônibus que ia durante o dia, a paisagem não vale a pena, o caminho é longo e o ônibus “pinga pinga”, demoramos um dia todinho para chegar no destino, foi bem cansativo.
Enfim chgamos a Buenos Aires e nos instalamos no ÚNICO hotel 4 estrelas da viagem hahaha tomei até banho de banheira!
Chegamos à noite, passeamos pela Calle Florida e jantamos em um bar na Avenida Córdoba, no dia seguinte fomos à catedral  e à casa rosada, também compramos nossos ingressos para assistir ao show de tango no Café Tortoni. Aproveitamos e conhecemos o café mais antigo de Buenos Aires, para quem conseguir o ingresso, uma vez ao dia tem aula de tango nesse local, nós não conseguimos.
Na Argentina, não aceitam cartão de crédito com tanta facilidade, em todas as compras tem uma taxa de 15% do valor para pagar com cartão e, muitos lugares simplesmente só no dinheiro J Apesar disso, a cidade é um bom lugar para fazer compras, onde encontra roupas e calçados mais baratos que no Brasil e o Real é bem valorizado em relação ao Peso Argentino.
Passeamos a pé por Puerto Madero, San Telmo, e Recoleta, embaixo de muita chuva!! Nesse dia, compramos as passagens de Buquebus para irmos para o Uruguai, até Montevidéu era bem mais caro, então compramos o buquebus até Colônia do Sacramento e lá pegamos um ônibus até Montevidéu, a compra dessa passagem é feita com a  do buquebus.
$ Passagens de Ônibus + Passeios
Mendoza para Córdoba (trecho por pessoa) – 140,00  – Pesos Argentinos (Andesmar – muito boa a companhia, ônibus novinho e comida boa!)
Passeio para Vinículas – 2 vinículas + 1 produtora de azeite e azeitonas – para 2 pessoas  – 40,00 – Pesos Argentinos
Córdoba para Buenos Aires (trecho por pessoa)  - 100,00 – Pesos Argentinos – (Urquiza – Única companhia que faz a viagem durante o dia as demais só viajam à noite – o ônibus não era lá essas coisas e a viagem foi extremamente cansativa)
Trekking para Los Gigantes (para 2 pessoas) – 240,00 – Pesos Argentinos
Show de Tango em Buenos Aires no Café Tortoni para 2 pessoas – 140,00 – Pesos Argentinos (a compra de ingressos deve ser feita no mesmo dia, porém com muita antecedência o local é cheio, não faz reserva por telefone e o pagamento é somente em dinheiro)
Buquebus – Buenos Aires a Montevidéu (por pessoa) – 186,00 – Pesos Argentinos – (até Colônia do Sacramento de barco , de Colônia a Montevidéu de ônibus era mais barato, o trecho todo de barco custava quase o dobro do valor)
$ Hospedagem
CBA Backpakeers HI Hostel Córdoba (hospedagem em quarto duplo com banho privado para 2 pessoas – 1 diária) – 96,00 – Pesos Argentinos
Fomos muito bem tratados pelos argentinos, mas percebemos que todos os países vizinhos têm problemas com os hermanos!! Seja pelo futebol como os brasileiros, ou pelos alfajores, dulce de Leche, parrilla e tudo mais como os uruguaios... tudo é motivo!! Mas é um país muito bacana, pretendemos voltar, não para os mesmos lugares, claro.
Saímos de Buenos Aires  rumo a Montevidéu no dia 2/11/2009, a viagem até Montevidéu é bem rápida (3h), lá não tínhamos reserva de hotel também e indicamos ao taxista um hotel que o guia indicava, esse deu certo e foi até facil! Logo que chegamos no hotel, já reservamos o passeio para Punta del Leste para o dia seguinte e saímos para comer o sanduiche mais famoso do Uruguai e era muitoo saboroso ou a fome que era demais , o Chivito, experimentem!!
Passeamos por Montevidéu, onde a chuva continuava, nosso guarda-chuva adquirido em Buenos Aires, se foi com o vento! Tiramos muitas fotos, no dia seguinte fomos para Punta e retornamos no mesmo dia para Montevidéu, à noite fomos a uma churrascaria uruguaia autêntica e experimentamos o melhor churrasco da vida! E no dia seguinte era hora de voltar para o Brasil.
$ Hospedagem – Hotel Hispano – 2 diárias (quarto duplo com banheiro para 2 pessoas) - 96,00 US Dólares
$ Passeio para Punta Del Leste – para 2 pessoas – 76,00 US Dólares
Os Uruguaios são realmente simpáticos e gostam muito dos brasileiros, se esforçam para falar português, e são muito receptivos!
No dia 4/11/2009 nosso vôo já estava marcado de volta a São Paulo, agendamos um táxi no hotel e fomos para o aeroporto, estava chegando ao fim nosso primeiro mochilão, descobrimos que essa era a melhor maneira de conhecer o mundo e voltamos cheios de planos para as próximas férias, mas essa fica para um próximo post!
Lições aprendidas:
1 – Tente sempre reservar os hotéis, hostels, pensões ou qualquer tipo de acomodação com antecedência. Se você pegar uma data comemorativa durante sua viagem corre o risco de dormir na rua se não tiver reservas;
2 – Utilize calçados adequados para fazer caminhadas. Seus pés agradecerão;
3 – Leve capa de chuva... nunca se sabe quando o tempo vai mudar;
4 – Verifique como são as tomadas nos locais por onde você vai passar. Levar adaptadores ou um adaptador universal é uma boa idéia para ligar seus aparelhos eletrônicos e recarregar a câmera ou o celular;
5 – Habilitar os cartões do banco para saques internacionais ou usar cartões de débito pré-pagos (“travel money”), é uma boa idéia para não andar com grandes quantidades de dinheiro em espécie, bem como habilitar os cartões de crédito para compras internacionais.

Mariana Chagas
Email: mari_chg1@hotmail.com


terça-feira, 26 de julho de 2011

Praia do Sono - Lar doce lar...

Divagações...
            Fui um tanto relutante a escrever sobre o Sono, acho que é aquele sentimento de “não vou divulgar para preservar o lugar...”, mas acho que os leitores desse blog não são do tipo que devastam os lugares, portanto aí vai minhas histórias, devaneios e dicas sobre o meu lugar favorito no mundo!!!
            Minha relação com o Sono começou na infância, quando eu escutava as histórias das viagens dos meus primos um pouco mais velhos do que eu, sendo que eles iam para Antigos e Antiguinhos, mas como tinham que passar pelo Sono sempre contavam histórias de lá; O tempo foi passando e minha vontade de ir pro Sono só aumentando, conheci um amigo (Emerson Gordo) que frequentavam lá em meados de 95 e a oportunidade de ir com ele surgiu bem no feriado que coincidia com meu aniversário, tive que adiar.
            Nessa época minha meta era ir para todos os lugares que eu tinha ouvido falar, São Thomé das Letras (MG), Maromba (RJ,MG,SP), Camburi (Ubatuba), Trindade (Paraty) e claro a Praia do Sono, comecei a viajar com uns 18, 19 anos... fui conhecendo todos esses lugares nos feriados, até que finalmente fui para o Sono com uma turma de Caçapava e desde então, não consegui mais ir pra outro lugar...rss... viciei mesmo, passei vários anos até ir embora de SJ Campos, indo todos os feriados pro Sono e alguns finais de semana tb, sem contar nas férias.. eheheheh... Depois que voltei a morar em SP continuei indo, não tanto como antigamente, mas sempre que rola, dou um pulinho “lá em casa” e quem quiser ir, me avisa que vou junto!!!
            Eu costumo dizer que Deus quando estava pensando em me criar estava lá na Praia do Sono pensando em mim..rss... AMO esse lugar, é como se fosse minha casa, meu lar. Uma vez divagando sobre o Sono com a Thais e o Alexandre, chegamos a conclusão que talvez seja porque lá não tem essas coisas de status, de carro,  de roupa legal, de “ser alguém”, de conforto, lá no Sono a gente é o que é na essência de cada um e isso dá uma sensação de liberdade; Hoje mudou um pouco isso, porque progrediu como tinha de ser e está cada mais escasso aqueles que encaram a trilha pra chegar, já tem energia elétrica e consequentemente banho quente, tem casas e chalés pra se hospedar, tem bastante opção de restaurante, o celular pega, etc... aos poucos o perfil das pessoas que frequentam o Sono vai mudando. Quando comecei a ir não tinha nada disso, tive que aprender a cozinhar nessas férias que passei lá (PF era muito caro pro momento), tomar Coca-Cola gelada era luxo, geralmente os meninos pescavam durante o dia e a nossa tarefa era catar lenha e limpar os peixes (essa última parte ficava mais pra mim e pro Tavinho) ..rss.. bem coisa de filme mesmo... ehehehehehe...
            Dessa vez, passei 45 dias lá, sendo que voltei por 2 dias pra SJCampos para fazer uma entrevista, mas deixei minha barraca e todas minhas coisas armadas lá e quando cheguei de volta no Sono eu falei sem querer: Ufa, cheguei em casa!!
            Eu diria que essas férias de 2001 foi o melhor verão da minha vida, talvez pelo momento que estava vivendo... no alge dos 20 aninhos... minha preocupação era pagar a faculdade apenas, como já tinha pago 2 meses adiantados eu tinha esse tempo sem preocupação, eheheh... Isso sem contar as histórias diversas de farra, amor, amizade,  conscientização ecológica, cultura, etc.. Somente quem esteve lá e viveu isso sabe o que estou dizendo...
            Por isso vou dedicar esse post a todos que estavam lá nesse verão inesquecível de 2001:
Thais e Tati (SP), Kidi (SP), Luiz (RJ), Fred (SP), Gustavo (RJ) os palhaços, Marcio (PR) e Barata (RJ), Alexandre (Prudente), Jhony (SP), Anderson (Caraguá),  Luciane (SJCampos), Marina e Pablo (SP), Silvia (SP), Milene (SP), China (SP), Ana Claudia (SJCampos), os meninos da banda que tb eram de SJCampos, o pessoal do Sono, D. Val, Seu Jonas, Binho, Xande e especialmente o Tavinho (Campinas).
;-)

Mas eu sei que ta faltando gente pra mencionar, ehehhehehehe...

Bom, chega de divagações e vamos ao que interessa:

Como chegar:
            Ônibus: Tem que ir até Paraty, de lá pega-se um circular até a vila do Patrimônio e então uma van, carona, até a vila de Laranjeiras. Outra opção é pegar o circular de Paraty que vai direto para Vila de Laranjeiras.
            Carro: Rio-Santos, pra quem vem de Ubatuba(SP), depois da divisa de estados são 12km até a vila do Patrimônio, ali sobre a direita o morro apelidado de “Deus me Livre”, sobe a estradinha sinuosa, na bifurcação que vai pra Trindade mantenha a esquerda, continua subindo, passa pelo portão do condomínio de laranjeiras, se o vigia parar é só informar que vai para o Sono. Chegando na Vila de Laranjeiras passa pelo centrinho da vila e continua reto, vira a segunda a direita e segue até uma pracinha.
            A casa de esquina é do filho do seu Roque e eles permitem parar o carro lá, na garagem dele ou na rua em frente a casa. A última vez que fui era R$10,00 a diária e é tranquilo deixar o carro ali. A casa do seu Roque fica bem no pé da trilha para ir pro Sono.
            Trilha: São ~1h30  de trilha, carregando a mochila nas costas, as 2 primeiras subidas são pra desistir, mas depois fica tranquilo. Eu já fiz em 40 min e em 4 horas de  noite e de ressaca.. ehehehe... o tempo varia do ritmo de cada um, mas a maioria das vezes, fiz em 1h30 mesmo.
            Barco: Para ir de barco é preciso ir até o centrinho da vila de Laranjeiras e negociar com algum barqueiro que estiver lá esperando. Em época de temporada tem fila, e é um tanto demorada, tem que dar o nome para moça da cooperativa que estiver gerenciando. Fora de temporada, se não tiver ninguém lá é preciso ligar pra alguém ir lá buscar, mas não adianta ligar para furar fila em alta temporada porque os próprios barqueiros teem que respeitar a fila de barcos da cooperativa. O barco leva cerca de 15 minutos até a praia depois que embarca. Vai uma perua do condominio buscar o pessoal no centrinho de Laranjeiras e dentro do condominio não é permitido sair do deck. Um tanto hostil, mas é a melhor maneira que encontraram para não cortar de vez os barquinhos. (Uma época colocaram uns burros pra levar as coisas do pessoal pela trilha, foi zuadoooooo)

$: alta temporada eles cobravam até R$25,00 por pessoa + bagagem. Não é permitido ir com bagagem de outras pessoas, teria que pagar mais.

Onde ficar:
            Dona Val (Cantinho do Sono)
            Fica no meio da praia, eu prefiro ficar na D. Val que já me conhece de muitos anos, mas em termos de estrutura não é o melhor camping.   Agora ela tem a opção de chalé, aí sim é bem legal a infra do Chalé. No Camping é banho frio e no chalé é quente.

            Marimbar (chuveiro quente)
            Fica no começo da praia, a única opção é o camping, porém é muito boa a infra que montaram lá, tem cozinha coletiva, banheiros amplos e uma opção de chuveiro quente (a diária é mais cara).

$ os preços variam de alta e baixa temporada, mas geralmente é entre R$7,00 e R$15,00 a diária por pessoa.

            Lindalva
            A Lindalva tem opção de casas e alguns chalés no final da praia. Nesse site tem o contato.
            http://www.praianegra.com.br/chale_praia_sono.html

Onde comer:
            Tem vários restaurantes rústicos pela praia. Eu gosto da comida da D. Val e da Lindalva. $: varia entre R$10,00 a R$15,00 o PF.
            Durante a tarde tem a molecadinha que vende o bolinho de aipim e bolos doces pela praia, muito bom, custa por volta de R$2,00.
            Para o café da manhã tem o pão da D. Maria, é R$5,00 o pão caseiro muuuuiitooo bom, da pra umas 3 pessoas, mas é preciso acordar bem cedo, a casa dela fica atras da igrejinha, uma porta azul a direita do comecinho da trilha da cachoeira.
            Tem a casa da empada um pouco depois da Igrejinha, ela também faz fornada por encomenda, a empada é muito boa. O Pedaço custa R$2,00 e acaba rápido.

Onde ir:

Cachoeiras:
            - Pocinho: Saindo atras da Igrejinha, segue pela trilha da cachoeira, sobe um pouquinho e quando chegar numa área meio aberta, tem uma pedra pintada de branco escrito “poço”, não é tão fácil de identificar, mas todo mundo sabe onde fica. É a cachoeira que eu mais gosto de ir, quando a praia ta cheia a muvuca vai pro jacaré e o pocinho fica bem tranquilo. Tem 2 poços bom pra nadar e uma pqna queda que da pra massagear.

            - Pedra do Jacaré: é a mais famosa, segue pega mesma trilha do pocinho e vai subindo, tem alumas pedras pintadas no caminho mas tb não é tão fácil de identificar, embora não tenha como errar a trilha.. eheheh.. todo mundo sabe onde é. Tem uma pedra grande que parece um jacaré e quem conhece, costuma pular de lá de cima. Precisa saber a posição de pular pq tem bastante pedras.

            - Galhetas: Essa cachoeira é bem massa!! Fica no caminho para praia de Ponta Negra, meio longinho do Sono, tem que pegar a trilha pra Antigos e ao invés de entrar pra Antiguinhos vai pra esquerda e caminha um tanto pra chegar. Antes de começar de subir o outro morro para Ponta Negra tem uma trilhasinha pra esquerda onde chega nessa cachoeira, é bem legal mas só vale a pena como sendo uma parada rumo Ponta Negra.

Praias:
            - Antigos: A próxima praia logo depois do Sono, a subida do morro é um tanto assustadora, mas a trilha em si é tranquila... ehehehee. Pela subida ser um tanto íngrime,   torna a volta meio tensa (no meu caso), mas a vista do alto do morro é FANTÁSTICA!!! Ficaria horas lá contemplando... a praia de Antigos é meio brava, mais pra surfista, e é deserta também, eu gosto mais de ir pra Antiguinhos.

            - Antiguinhos: Uma pequena praia logo depois de Antigos, tem que ficar esperto na trilha de acesso, mas é bem movimentado é só prestar atenção de onde as pessoas estão vindo e ir nessa direção, logo depois de um córrego de água doce vira a direita e segue o fluxo da água, é bem pertinho e muito boa de passar o dia. Não esqueça de levar água e lanchinho, pois não tem nada lá.

            - Galhetas: É uma praia de pedras, apenas pra ficar olhando mesmo, antigamente era caminho obrigatório rumo a Ponta Negra, e tínhamos que ficar esperto em relação a maré, pra não pegar maré cheia na volta; Hoje em dia tem outra trilha e a passagem por Galhetas é opcional.

            - Ponta Negra: É uma praia muito linda!!! Água verde esmeralda e parece uma piscina, muito muito calminha. O ruim de lá, é que não tem sombra na praia, em dias de sol forte é zuado ficar fritando na areia, principalmente pra mim que sou branquela.. ehehehe... Geralmente a gente almoça no último restaurante e volta de barquinho pro Sono.  A trilha de volta é tranquila, mas eu tenho medo da descida de Antigos, por isso prefiro voltar de barco.. ehehehe.. mas encaro a volta pela trilha se a turma insistir. :-P

            Depois de Ponta Negra tem várias outras praias (que eu ainda não conheço), mas a trilha é pesada e seria melhor ir com algum guia. Esse pedaço pertence a uma península que vai do Pouso da Cajaíba até Ponta da Juatinga, tem muito coisa legal por ali e nesse post está com foco maior no final da  Ponta da Juatinga onde fica a Praia do Sono.

Isso aí, vou postar algumas fotos mais pra frente e atualizo esse post com o link.

Valeu e até a próxima!


quarta-feira, 22 de junho de 2011

Meu primeiro mochilão: Peru

Esses dias estava conversando sobre a Juanita... me deu uma vontade de escrever...
Aí vai!

É o seguinte - Eu estive no Peru em 2006, portanto não vou me lembrar de todos os valores que a gente pagou, mas posso falar do nosso roteiro, das impressões e da logística de transporte.
Na época eu morava em Manaus e o Cleytinho estava em Floripa, então nos encontramos em Lima, cada vindo de seus respectivos lugares. A passagem de Manaus Lima, Lima-Manaus ficou em  ~R$1700,00 pela Copa Airlines, muito boa por sinal. De Floripa eu não sei exatamente, mas lembro que tinha ficado mais barato que a minha.
Começamos a viagem em Lima e como éramos marinheiros de primeira viagem cometemos muitas gafes, em relação a equipamentos, preparação física, reservas. Nos preocupamos em fazer a reserva apenas de Machu Pichu e esquecemos do resto, e isso nos causou várioooss perrengues... hehehehehehe

Nazca
De Lima, fomos direto para Nazca, ~7 horas de viagem, fomos na "madruga" para economizar hospedagem, e sugiro não sentarem na primeira poltrona, da muito medo, os motoristas lá são meio sem noção. Mas já que não tem outro jeito, o melhor é não ver as barberagens.

O maior atrativo em Nazca são as famosas linhas de Nazca, descoberta por uma Alemã (Maria Reiche) que viveu lá por muitos anos. Tem alguns pontos que é possível ir de carro e subir num mirante,  mas o que mais vale a pena é o sobrevoo. Não me lembro o preço exato, mas era por volta de 60 USD, vai num avião teco teco que fica virando 180º graus o tempo todo (para visualizar melhor as linhas), dá um certo enjôo mas vale muito a pena, pois ele passa por lugares que não é possível ir caminhando. As linhas são um tanto interessante enormes e formam desenhos curiosos e trata-se de uma época pré-inca.

$$: nós economizamos bem lá, achamos uma brasileira que morava lá e fomos nos lugares que ela indicava (não turístico).

Cuzco
De Nazca fomos para Arequipa e já fomos direto para Cuzco em uma tacada só. Entre Arequipa e Cuzco são 8hs de viagem.
Fechamos um hostel (albergue) e o passeio para Machu Pichu pela Andex Adventure. (andex_adventure@hotmail.com), mas em Cuzco mesmo eu não me lembro de muita coisa. Mas eu lembro que fechamos um taxi por um valor fixo e ele nos levou em todos os lugares que a gente escolheu, mas ainda faltou conhecer muitos lugares. Todos são ruínas de templos e vilas incas.
Na cidade tem uma rua com muro de pedras onde um lado é a parte dos Incas, e do outro lado é a parte dos Espanhóis e o pessoal de lá gosta de contar piadinhas sobre a incompetência dos espanhóis.. eheheheheh...
Lembro que algo que pegou muito, foi a altitude, vale muito a pena perder um dia da viagem descansando sem grandes esforços para se aclimatar.
$$: Cuzco não é uma cidade barata.

Trilhas: rumo a Machu Pichu
Na época levava em média 3 meses a reserva da trilha Inca e como viajamos de última hora optamos pela trilha Salkantay uma das 5 trilhas alternativas rumo a Machu Pichu.

Trilha Inca: Apesar de não ter feito essa (um dia volto pra fazer essa trilha),  é uma trilha que sai de Cuzco e chega direto no parque de Machu Pichu no último dia, parece ser mais interessante pois tem ruínas incas por todo trajeto e sem contar que a chegada é em Machu Pichu mesmo, mas já ouvi algumas pessoas falarem que você fica muito cansado e acaba não aproveitando muito o dia em Machu Pichu. Mas mesmo assim quero ir!

Trilha Salkantay: Tem uma camiseta que dizia “I survided to the Salkantay trail”, acho que esssa frase expressa bem o sentimento de quem faz essa trilha. Ooooo trilha dificil da p... mas é o seguinte, são 5 dias caminhando pelos Andes, sendo que 3 deles obrigatóriamente caminhando mesmo. No ponto mais alto chega -se a uma altitude de 5800mts, isso tudo a pé. O Soroche (mal da altitude)  pega pesado, lembro que em determinado momento da subida a gente se jogou no chão sem forças pra continuar, (esse papo de que efeitos da altitude é frescura é pra quem nunca esteve lá) um guia de outro grupo que nos ajudou colocando algodão molhado com alcool etilico próximo dos olhos e do nariz, pra gente voltar a ter cor... sério mesmo, nunca mais embarco numa dessas sem o devido preparo físico e sem me aclimatar adequadamente. Porem no pico mais alto do morro é muito massa!! É onde vc fica de frente para a montanha Salkantay, que é uma montanha inteira de gelo, a caminhada toda é feita na Monkantay, a montanha irmã da Salkantay. Nós tivemos a sorte de não estar tão nublado e conseguirmos enxergar a Salkantay, que é fabulosa, mas conheci algumas pessoas que não conseguiram ver; Tem que se pensar bem se quiser mesmo fazer essa trilha porque não tem nada demais nas paisagens, sem contar os abismos, a gte passa por uma trilhinha que só cabe uma pessoa (da mó vertigem). Nos 2 últimos dias tem transportes alternativos que inclui: tirolesa improvisada (para atravessar o rio) , ir na caçamba do caminhão (tipo pau de arara) e trem. Nós pegamos todas essas coisas alternativas, desde que não precisasse mais andar. eheheheh...
No último dia da trilha a gente chega numa cidadesinha aos pés de Machu Pichu que chama Aguas Calientes, de onde é possível pegar um micro-onibus para ir subir até Machu Pichu no dia seguinte.

$$: o pacote com 5 dias de caminhada, hospedagem em Aguas Calientes, barracas e equipamentos inclusos além de todas as refeições e a passagem de trem de volta para Cuzco, foi ~350 USD na época e como não tem mais onde gastar fica por isso mesmo..rss..

Machu Pichu!!
Quem chega lá por Aguas Calientes e quer subir a pé pra dizer que foi a pé pra Machu Pichu, é perda de tempo. É uma subida íngrime e o visual legal mesmo vc vê só lá em cima, portanto eu sugiro pegar esse micro-onibus que sai de toda hora (acho que de 30 em 30 minutos) custava 12 USD ida e volta e vai até a entrada do parque. Nós optamos por sair antes do sol nascer para ver o nascer do sol lá de Machu Pichu.. experiência única, além do que,  com o passar das horas vai ficando cheio de gente e vc nem consegue andar direito. Divagando um pouco sobre estar em Machu Pichu,  pra mim foi mágico, era um lugar que eu sempre quis ir, mas as circustâncias daquele momento não eram tão favoráveis, eu diria que valeu apenas por realizar um desejo antigo, o lugar é mágico a energia lá é muito positiva, dizem que lá era uma cidade sagrada onde as pessoas muito puras viviam, talvez seja isso que torne um lugar muito especial mas tenho um desejo enorme no meu coração de retornar lá em outro momento da minha vida e com a pessoa certa. ;-)
Uma dica importante é que na saída do parque tem um guichesinho que quase ninguem conhece, onde eles carimbam seu passaporte com o carimbo de Machu Pichu, um souvenir interessante e gratuito!!
Ah! Para quem não sabe vc pode chegar até Machu Pichu pelas trilhas ou de trem de Cuzco até Aguas Calientes. (~4 horas de trem)

$$:  Em Machu Pichu o gasto é apenas a entrada do parque + o microonibus.

Pune
Fomos de Cuzco pra Pune (não me lembro qtas horas levou), lá é o extremo sul do Peru e a cidadesinha que fica na beira do Titicaca do lado peruano. Fechamos um passeio pelo para conhecer apenas uma ilha , pois já era final da tarde. Fomos até uma ilha chamada Urus, é uma ilha milenar feita de palha, você percebe o biotipo das pessoas com pernas curtas e grossas de tanto andar naquele tipo de solo. Os mais velhos, inclusive de meia idade não falavam espanhol apenas a língua Inka, as crianças negociavam com a gente em espanhol para comprar suveniers. O  mais interessante é que no dia que nós fomos estava acontecendo uma festa de casamento (de verdade) e nosso grupo foi convidado a participar da festa. Aprendemos várias coisas da cultura deles como por exemplo a cerveja é bebida em um copo apenas (como chimarrão), cada pessoa enche seu copo, bebe até o fim e depois passa a garrafa + o copo para o próximo da roda;  Outra coisa interessante é que pipoca doce é o carro-chefe dos comes da festa, tem espalhado pela mesa do bolo, sacos enormes para cada um encher um potinho e comer, é bem tradicional lá. Foi muito legal participar de uma festa casamento na ilha de Urus. Minha idéia era passar a noite no Titicaca, a princípio na ilha Tequile, que tem mais infra, mas como era tarde nossa única opção era passar a noite na ilha de Urus mas não rolou... Depois de 3 anos eu voltei no Titicaca pelo lado da Bolívia e aí sim consegui passar a noite no Titicaca, por ele ser um lado, aliás o maior lago na altitude (cerca de 4mil mts) da impressão de estar dentro do céu durante a noite, tirando o frio foi muito legal.
Ah! Para quem quiser dar uma esticadinha para Bolívia você pode ir de ônibus ou de barco pelo Titicaca; Do lado da Bolivia tem Copacabana e outras ilhasinhas, muito massa! Aliás foi por causa desse lugar na Bolivia que a nossa copacabana no Rio recebeu esse nome.

$$: Não me lembro exatamente o custo do passeio e de alimentação, mas não foi caro.

Arequipa
De Pune nós fomos para Arequipa (dessa vez não mais de passagem) foram 6 horas de viagem.
É uma cidade linda, achei muito mais legal do que Cuzco e tem muita coisa pra fazer. Começando pelos  vulcões, é uma cidade rodeada deles, mas o mais famoso que você enxerga da cidade toda é o: Chachani com o pico coberto de neve, muitooo lindo. Fomos almoçar num mesanino na cidade com vista pra ele. Na cidade também tem um restaurante Inca, vc pode ir até a cozinha e ver o preparo dos alimentos, tudo é feito a moda antiga inclusive para comer (com as mãos) muito legal! Pena eu não me lembrar o nome, se alguém que estiver lendo esse post e souber coloca nos comentários. Mas ele fica no mezanino na plaza del armas.
A coisa mais fascinante e altamente recomendável é o museu da Juanita! Eu li muito sobre ela antes de ir, trata-se de uma mumiasinha que foi encontrada em meados de 95 no Chachani e hoje fica exposta no “Museo Santuarios Andinos” com boa parte dele dedicado a ela. É muito organizado antes você assiste um filminho com a restituição de como ela foi sacrificada e mostrando o ritual deles nesse tipo de situação, logo começa a visitação passando por todos os acessórios dela e por último você chega na sala onde está a Juanita. Nossa... meu coração desparou quando eu a vi, aquela expressão de dor naque carinha de criança (ela foi sacrifica aos 12 anos)  e pensar que isso faz mais de 500  anos, ela foi encontrada intacta devido ao gelo do vulcão. Uma das tradições Incas era sacrificar crianças purificadas para mumificação eles acreditavam que a múmia tinha poderes sobrenaturais, no caso da Juanita ela era uma das crianças “Santas” que teve o “previlégio” de se tornar uma espécie de oferenda para o deus inca Apu Ampato. Quem for passar por Arequipa vale muito a pena conferir!!!
Fora isso, em Arequipa tem diversos passeios de caminhadas e escalada nos vulcões e alguns outros de vários dias, mas a gente estava bem sussa de fazer caminhadas nessa altura da viagem e optamos por ficar nos arredores da cidade e dormir em hotel mesmo.. rsss..

$$: Não é tão caro quanto Cuzco, mas não me lembro mais a média de gastos...

Lima
Sobre Lima não tem muito o que falar, lembro que era maior terrorismo porque lá é bem perigoso e tals, inclusive tomar cuidado até com o taxi que for pegar por isso nós optamos ficar no bairro Miraflores que é melhor bairro de Lima e bem tranquilo, nessa altura da viagem a gente já estava bem cansado devido a falta de planejamento adequado e portanto optamos por ficar hospedados em hotel mesmo, lembro que foi o lugar mais caro que ficamos foram 40USD um quarto de casal com café da manhã e a noite fomos numa rua cheia de bares, é tipo um calçadão onde não passa carro, é bem legal e tem um bar brazuca lá... tomamos várias jarras de chopp.. ehehehe...


É isso, espero que ajude quem estiver planejando uma viagem para esses lados. Mas aí vai uma dica, planeje bem e procure pegar os onibus credenciados para turismo, ou as melhores companias. Nós fizemos tudo errado e passamos maior perrengue com aquelas jabiracas locais, foi porco, galinha, porco assado, sem contar que o onibus nao parava para comer pois tinham vendedores ambulantes que entravam no onibus de tempos em tempos com uns sacos de porco assado e umas empanadas fedendo gordura... trash trash.. conslusão a gte passava fome nas viagens.. ehheeh.. Mas tudo é experiência..
=)

Algumas fotos estão nesse link:
https://picasaweb.google.com/113779553828291510272/Peru2006#


Até mais!


quinta-feira, 26 de maio de 2011

Mini-mochilão: Chapada Diamantina

 Depois de um longo e tenebroso inverno estou aqui atualizando o blog!
=)

Vou escrever sobre a Chapada Diamantina a minha viagem mais recente. Abril 2011

Essa viagem eu costumo dizer que foi um mini-mochilão, pois foi um destino único no qual não precisei fazer muita pesquisa pois fechei um pacote com o hostel que eu fiquei.; Diria que foi o melhor custo x benefício pra esse momento de vacas magras. Para quem quiser fazer um passeio barato e muito bom vale a pena conferir.

Fiquei hospedada no Hostel da Chapada, eles tomam conta de tudo, desde te buscar na rodoviária até acordar pra tomar café da manhã e não perder os passeios. No próprio hostel eu fechei o pacote dos passeios os preços estão disponíveis no link do hostel, onde está incluído as passagems ida e volta de Salvador, 5 dias de hospedagem, café da manhã e lanchinhos para os passeios que não tem onde comprar comida, etc. A Logística dessa viagem foi bem simples já que era só pagar a reserva do pacote e ir, portanto vou escrever sobre os roteiros que eu fiz e a minha impressão sobre a Chapada.

Começo dizendo que fiz os roteiros mais famosos e populares, o que só deu um gostinho de quero mais, pra voltar e conhecer os lugares mais peculiares da Chapada.

Poço Azul e Poço Encantado: Meu ponto principal de viajar até a Chapada Diamantina era conhecer o poço encantado (que estava fechado até meados de março de 2011), e o lugar fez juz as minhas expectativas, é fantástico! Um lugar encantado realmente, e nadar no poço azul é uma experiência única , sensação de estar voado, flutuando, acho que o cérebro não entendia que eu estava nadando e  que aquilo era água, a impressão era de estar andando no ar mesmo. Ímperdível e não é um passeio difícil de fazer.

Cachoeira da Fumaça: É uma cachoeira de 400mts de altura, onde se vai por cima (1 dia) ou por baixo (3 dias), fiz a por cima onde vc chega numa pedra que fica acima da queda da cachoeira e apenas pode vê-la deitado no chão, e dá um medo da p... hehehe... principalmente pra quem tem vertigem (que é o meu caso) é horrível, não fiquei 1 minuto olhando, as fotos da cachoeira em si , foi o guia que tirou pra mim..rss.. fiquei com vontade de fazer a trilha de 3 dias que vai por baixo da cachoeira.
Mas essa por cima, é uma caminhada pesada apesar de não ser trilha por pedras, é apenas morro, tendo uma subida de 2mil mts logo de cara, depois no topo do morro vc passa por um pequeno pântano, atravessa uma cachoeira, mas é um lugar seguro e muito manjado, tem cordas de apoio e vários grupos indo ao mesmo tempo. Apesar da caminhada ser intensa é muito agradável para quem gosta de trilhas, são paisagens lindas, e depois tem um outro ponto que da pra ver a cachoeira de um outro ângulo que não da tanta vertigem.. eheheh... Eu iria de novo!!


Poço do Diabo, Morro do Pai Inácio, Pratinha, Gruta Azul, Lapa Doce: Esse é o passeio mais tradicional e bem fácil de fazer, caminhadas curtas e agradáveis. Gostei muuuiitoo do poço do diabo, tem um poção muito bom pra nadar, o morro do Pai Inácio (cartão postal da Chapada) é lindo, ficaria horas lá em cima olhando pra paisagem, a pratinha é uma fazenda que inclui a gruta azul ( que não tem graça nenhuma pra quem foi no poço Azul) fiz o mergulho numa outra gruta  que é interligada com a gruta azul, fomos com lanterna, não tem muita graça lá dentrão dos salões, mas a saída é FANTÁSTICA!!!! A água é litelmente azul, parece piscina e tem milhares de peixinhos, na saída da gruta olhando por debaixo dágua eu me sentia um peixe dentro de um aquário natural, olhando de fora da água não tem tanta graça e muita gente não paga os R$25,00 para esse mergulho, mas vale super a pena, só por essa parte de sentir um peixe. A Lapa doce é uma caverna gigantesca onde a gente faz 1km por dentro dela com lanternas e lampião, pra quem gosta de foto é um saco pois o flash das outras pessoas atrapalha toda a configuração da máquina, eu desencanei de fazer foto lá dentro, a parte mais legal é quando o guia desliga todas as luzes e vc fica no breu total e o grupo todo em silêncio, ficar de olho aberto é a mesma coisa de ficar com olho fechado. Voltaria com certeza nesse passeio!!

Cachoeira do Sossego e Ribeirão do meio: A cachoeira é linda, fica num paredão no “canto” do morro, é puro sossego estar lá mesmo. O poço é fundo mas tranquilo para quem sabe  nadar, da pra ir até embiaxo da queda. Muito bom, porém a trilha é pesada e irritante eu diria, descobri que não gosto de trilhas por pedras, talvez seja porque não estava com equipamento certo.  A trilha é toda pelo leito do rio e pra minhas pernas curtas era o tempo todo um levanta, abaixa, agacha , equilibra, apoia em pedras íngimes e escorregadias, passa embaixo de pequenos cânions, etc... um tanto irritante eu diria, porém sempre com o guia apoiando literalmente.. eheheh.. e se o rio estiver cheio não é possível chegar até a cachoeira. Não sei se eu iria de novo...
Já o Ribeirão do Meio é um escorrega de 16mts, muito massa e um poço parecido com uma piscina grande para nadar, porém eu não aguentava mais andar em pedras e não fui  scorregar. (talvez seja um trauminha de Maromba)..rs.. mas lá é fácil de chegar, perto da cidade e não precisa de guia pra ir, fui com guia porque estava no pacote, lá eu voltaria com certeza!

Serrano e Cachoeirinha: Bem próximo da cidade, inclusive eu fui sozinha no primeiro dia, o Serrano é uma cachoeira estranha, são catras (buracos), que enchem dágua, parece ofurô, alguns são bem fundos. É muito bom pra relaxar e receber uma massagem das pequenas quedas que formam. A cachoeirinha é bem pequena mesmo, fui porque já tinha pago o pacote, mas como foi no último dia era fichinha perto as outras cachoeiras que eu já tinha visto.

Gastos: Em média a refeição era R$15,00 com bebida inclusa, lanches, tapiocas era um pouco mais barato. Em Lençois tem mercadinhos e os preços também não abusivos para quem quiser cozinhar e economizar ainda mais, vale a pena. Gastei no total ~R$800,00 + a passagem de avião para Salvador para uma semana de viagem.

Impressões sobre a Chapada: Olhando de uma maneira lúdica a Chapada é bonita e cheia de verdes, mas observando um pouco mais vc consegue perceber o quanto a Chapada Diamantina é detonada e destruída, não estou falando de destruição como cenário de guerra, lugares sujos etc... Destruição que se percebe pela mudança de paisagem das pedras que foram realocadas, das catras (buracos) que hoje parecem pequeno lagos mas não faziam parte da natureza do local, das bicas de águas minerais que já não existem mais, das pedras totalmente modificadas porque as pessoas raspavam para retirar areia coloridas, dentre tantas outras coisas que é perceptível a destruição por ignorância e falta de informação de preservação na época. É uma região recentement descoberta para o turismo, cerca de 15, 20 anos pra cá, desse período pra trás o sustendo era o basicamente o garimpo. Mesmo assim a Chapada Diamantina é um lugar lindo, fascinante, fico imaginando como seria antes dessa destruição toda ter passado por lá...


Link do Hostel
http://hostelchapada.com.br/

Seu Cori
Seu Cori é um ex-garimpeiro de 80 e poucos anos que montou no seu quintal uma réplica do que era o garimpo na floresta, conversar com ele é uma aula de história viva, que ele explica com brilho nos olhos a vitória de ter todos os filhos “magistrados” (equivalente ao 2º grau) e os netos muito bem encaminhados. Sua casa fica na Rua dos Negros, e a contribuição é espontânea, basta entrar no quintal e chamá-lo. Geralmente ele atende das 8h até umas 16h.
Foi uma pena eu ter ido no último dia e não ter muito tempo para ficar proseando e saber mais das suas histórias.

Fotos
Algumas fotos estão nesse link.

bjs,
Até a próxima!! (não vai ser tão demorado)